Caminhada noturna na Serra da Arada

Antes do fim de semana preenchido de 9 e 10 de Setembro (+ info), este Sábado, dia 2 de Setembro há a caminhada nocturna da Montis.

 

A caminhada terá 3 km na serra da Arada, sob o luar.

O início será às 20h00 (ainda com alguma luz do dia), e vamos trocando a luz do sol por lua. Terminará no Portal do Inferno com uma merenda oferecida pela Montis e com tempo para conversar.

Como chegar:

Vindo de S. Pedro do Sul – Seguir as indicações para a Serra da Arada e S. Macário (igreja e miradouro do topo da Serra da Arada), atravessando as aldeias de Ponte (Junto a S. Pedro do Sul), Alvarinho, Oliveira, Sul e Aldeia. Uma vez no cruzamento para o S. Macário, seguir à esquerda para Covas do Monte/Portal do Inferno.Seguir sempre essa estrada até ao cruzamento de Covas do Monte, aí é o ponto de encontro (Nesse cruzamento à direita é Covas do Monte à esquerda é Arouca).

Vindo de Arouca – Seguir a estrada M510 em direção a Janarde e Regoufe. Depois da aldeia de Ponte de Telhe, seguir à direita para a estrada M567 em direção ao Geopark de Arouca e aldeia de Drave. Uma vez no topo da serra, seguir a mesma estrada até ao cruzamento de Covas do Monte.

Coordenadas GPS do ponto de encontro: 40º52’24.0”N, 8º05’12.5”W

O que trazer:

O Portal do Inferno, como o próprio nome indica, costuma ser muito ventoso. Mesmo numa noite de verão convém trazer um corta-vento para o caso de ficar frio.

Quem tiver pequenas lanternas ou LED’s pode trazer. Como o percurso é por um troço asfaltado, será uma ajuda para sinalizar o grupo.

Contactos e inscrições:

Para fazer a inscrição na atividade ou pedir informações, pode contactar a Montis através do e-mail: montisacn@gmail.com ou do 926 277 545

Caminhar sob o luar.

No dia 02 de Setembro o passeio mensal da Montis será sob o luar, através de uma caminhada norturna de 3 km na serra da Arada.

Com a lua cheia a atingir o seu pico no dia 6 de Setembro, e com a caminhada a começar pelas 20h00 (ainda com alguma luz do dia), vamos trocando a luz do sol por um luar fantástico. Termina no Portal do Inferno com uma merenda oferecida pela Montis e com tempo para conversar, inevitavelmente falar sobre lobos (estarão por ali certamente), sobre o plano de ações do Lobo Ibérico em que a Montis está envolvida e outros assuntos.

O programa:

20h – Encontro no cruzamento de Covas do Monte (40º52’24.0”N, 8º05’12.5”W ou O)
21h15 – Fim da caminhada no Portal do Inferno e merenda

Como chegar:

Vindo de S. Pedro do Sul – Seguir as indicações para a Serra da Arada e S. Macário (igreja e miradouro do topo da Serra da Arada), atravessando as aldeias de Ponte (Junto a S. Pedro do Sul), Alvarinho, Oliveira, Sul e Aldeia. Uma vez no cruzamento para o S. Macário, seguir à esquerda para Covas do Monte/Portal do Inferno.Seguir sempre essa estrada até ao cruzamento de Covas do Monte, aí é o ponto de encontro (Nesse cruzamento à direita é Covas do Monte à esquerda é Arouca).

Vindo de Arouca – Seguir a estrada M510 em direção a Janarde e Regoufe. Depois da aldeia de Ponte de Telhe, seguir à direita para a estrada M567 em direção ao Geopark de Arouca e aldeia de Drave. Uma vez no topo da serra, seguir a mesma estrada até ao cruzamento de Covas do Monte.

Coordenadas GPS do ponto de encontro: 40º52’24.0”N, 8º05’12.5”W ou O

O que trazer:

O Portal do Inferno, como o próprio nome indica, costuma ser muito ventoso. Mesmo numa noite de verão convém trazer um corta-vento para o caso de ficar frio.

Quem tiver pequenas lanternas ou LED’s pode trazer. Como o percurso é por um troço asfaltado, será uma ajuda para sinalizar o grupo.

Contactos e inscrições:

Para fazer a inscrição na atividade ou pedir informações, pode contactar a Montis através do e-mail: montisacn@gmail.com ou do 926 277 545

Seminário FLORESTA

Na próxima 5ª-feira, dia 20 de Julho, realizar-se-á o Seminário FLORESTA: Sustentabilidade e Rentabilidade na Biodiversidade. Este está integrado no Festival Tradidanças, a realizar-se em Carvalhais, em São Pedro do Sul, e começará às 15:00.

Aproveitando o Campo de Trabalho Internacional da Montis, a decorrer da próxima 2ª-feira até Domingo, dia 23 de Julho, este seminário também faz parte do programa do Campo de Trabalho.

Contamos convosco num seminário que contará com apresentações da Montis, da Verde Lafões, da Associação Transumância e Natureza (ATN) e do Baldio de Alvadia.

A entrada é livre, pelo que esperamos por vocês.

Um Julho especial / A special July

Entre os dias de 17 e 23 de Julho será o Campo de Trabalho Internacional da Montis, com sete dias dedicados a melhorar as condições dos ecossistemas no Baldio de Carvalhais, criando comunidades resilientes ao fogo e gradualmente aumentar a biodiversidade através de intervenções estratégicas.

Integrada no Campo de Trabalho será ministrada uma formação em Engenharia Natural pela Ecosalix, com componente teórica (3 horas) e prática (5 horas).

 

A inscrição é 50€ para sócios e 75€ para não-sócios (com possibilidade de os não-sócios se tornarem sócios).

A inscrição inclui a alimentação durante os sete dias, alojamento em tendas individuais (alternativas de alojamento disponíveis, sobre as quais daremos informação se quiser mandar um email, porém não assegurado pela Montis), seguro de acidentes pessoais e material de proteção.

Os participantes poderão ainda aproveitar as várias atividades do Tradidanças – Festival de Tradições , Música e Dança (+ info) e outras atividades lúdicas integradas no Campo de Trabalho.

Inscrições aqui ou através de montisacn@gmail.com ou +351 926 277 545

—-ENGLISH—-

Montis first International Work Camp will take place between the 17th and the 23th of July 2017, in Carvalhais, São Pedro do Sul, with seven days dedicated to improve the ecosystem conditions in an area of 100 ha under Montis management, creating fire resilient communities and gradually increasing in-site biodiversity, through strategic interventions.

Integrated in the camp, there will be a Natural Bioengineering workshop, given by Ecosalix, with theoretical (3 hours) and practical (5 hours) component.

The registration fee is 50€ for Montis’ associates and 75€ for non-associates (non-associates can become associates for 20€ and benefit from the discount).

The registration fee includes food, accommodation in tents (Available alternatives, on which we will give information if you want to send an email but not assured by Montis), personal injuries insurance and working gear.

The participants would be able to enjoy the Tradidanças – Festival of Traditions, Music and Dance (+ info)

Registration available through an online form or directly through montisacn@gmail.com / +351 926 277 545.

Congresso Resinagem, Ambiente e Indústria

A Montis vai estar presente no Congresso “Resinagem, Ambiente e Indústria”, a realizar-se nos dias 2 e 3 de Junho, no Cine-Teatro Jaime Gralheiro, em São Pedro do Sul. 

Este congresso é organizado pela Bluemater, em conjunto com o Município de S. Pedro do Sul e a AIMMP.

A Montis fará parte do segundo painel de oradores com uma apresentação sobre Habitats Marginais e sua Importância para a Biodiversidade.

Para além desta apresentação, um dos técnicos da Montis estará sempre presente no congresso. Desta forma, esperamos chegar a mais pessoas, e estaremos disponíveis para esclarecer qualquer questão que os participantes possam ter.

Convidamos todos a participar neste congresso, podendo o programa e a ficha de inscrição ser consultado aqui

Relembramos que hoje, pelas 14:30, realizar-se-á o sétimo colóquio da Montis, no Auditório da Biblioteca dos Olivais, em Lisboa.
Contamos convosco.
Até lá!

Um sábado em Carvalhais

Sábado, dia 13 de Maio, rumámos ao baldio de Carvalhais, primeiro para o nosso voluntariado mensal e pela tarde, o Passeio do Fogo.

Com a contribuição dos nossos voluntários, os quais demonstraram que a vontade supera as nuvens mais negras, a manhã foi dedicada a mais uma acção de gestão do baldio.

Perto de uma linha de água, iniciámos a abertura de um caminho antigo que permitirá aceder a uma considerável área plana situada no interior da propriedade e simultaneamente reabilitar caminhos que pela sua falta de uso, hoje encontram-se escondidos no interior da vegetação.


Antes (esquerda) e depois (direito).

Este caminho, apresenta de momento muita água que a seu tempo será redireccionada novamente para a linha de água. Até lá, continuará a manter os vários salgueiros que se instalaram no caminho.

À medida que fomos avançando, fomos tendo boas surpresas, como é exemplo este carvalho que teve direito a um tratamento que lhe permitirá crescer mais rapidamente.

Na parte da tarde, e já depois da merenda perto dos moinhos do Pisão para recuperar forças, foi tempo para o Passeio do Fogo.

O passeio percorreu a área intervencionada com fogo controlado em Fevereiro e o António Salgueiro explicou-nos os vários aspectos de um fogo controlado, a sua variação consoante os objectivos e as inúmeras possibilidades e aplicações.

Entrámos na área ardida, observámos, tocámos e discutimos ideias.

O incêndio do verão passado foi igualmente abordado, sendo visível à distância e analisadas as diferenças para o fogo controlado

E após dois meses foi já possível ver alguns carvalhos na área ardida, que serão muito importantes para a melhoria das condições futuras do baldio.

Um sábado em Carvalhais

Sábado, dia 13 de Maio, rumámos ao baldio de Carvalhais, primeiro para o nosso voluntariado mensal e pela tarde, o Passeio do Fogo.

Com a contribuição dos nossos voluntários, os quais demonstraram que a vontade supera as nuvens mais negras, a manhã foi dedicada a mais uma acção de gestão do baldio.

Perto de uma linha de água, iniciámos a abertura de um caminho antigo que permitirá aceder a uma considerável área plana situada no interior da propriedade e simultaneamente reabilitar caminhos que pela sua falta de uso, hoje encontram-se escondidos no interior da vegetação.


Antes (esquerda) e depois (direito).

Este caminho, apresenta de momento muita água que a seu tempo será redireccionada novamente para a linha de água. Até lá, continuará a manter os vários salgueiros que se instalaram no caminho.

À medida que fomos avançando, fomos tendo boas surpresas, como é exemplo este carvalho que teve direito a um tratamento que lhe permitirá crescer mais rapidamente.

Na parte da tarde, e já depois da merenda perto dos moinhos do Pisão para recuperar forças, foi tempo para o Passeio do Fogo.

O passeio percorreu a área intervencionada com fogo controlado em Fevereiro e o António Salgueiro explicou-nos os vários aspectos de um fogo controlado, a sua variação consoante os objectivos e as inúmeras possibilidades e aplicações.

Entrámos na área ardida, observámos, tocámos e discutimos ideias.

O incêndio do verão passado foi igualmente abordado, sendo visível à distância e analisadas as diferenças para o fogo controlado

E após dois meses foi já possível ver alguns carvalhos na área ardida, que serão muito importantes para a melhoria das condições futuras do baldio.

Campo de Trabalho Internacional da Montis

O campo de trabalho internacional da Montis já tem datas definidas.

Entre os dias 17 a 23 de Julho de 2017, no baldio de Carvalhais, São Pedro do Sul, a semana será dedicada a acelerar a recuperação do ecossistema.

Programas provisórios. Mais informações em breve.
As pessoas na gestão da natureza.

Campo de Trabalho Internacional da Montis

O campo de trabalho internacional da Montis já tem datas definidas.

Entre os dias 17 a 23 de Julho de 2017, no baldio de Carvalhais, São Pedro do Sul, a semana será dedicada a acelerar a recuperação do ecossistema.

Programas provisórios. Mais informações em breve.
As pessoas na gestão da natureza.

Formação, trabalho e boa disposição

Este Sábado e Domingo (dia 22 e 23), estivemos no baldio de Carvalhais na 3ª Oficina de Engenharia Natural.

Fotografia de grupo após a instalação de manta orgânica.

O Sábado iniciou-se com uma formação teórica com o Aldo Freitas (Ecosalix) no Bioparque do Pisão que permitiu aos participantes adquirir conhecimentos sobre engenharia natural antes de passarmos à prática.

Assim, rumámos à área de baldio sob gestão da Montis e o primeiro ponto de paragem foi o local da oficina anterior de engenharia natural. Efetuada antes do fogo controlado, permitiu ver algumas das técnicas a aplicar ao longo da formação e igualmente entender os seus efeitos e a capacidade de resistência ao fogo (que é diferenciada).

Visita ao local da oficina anterior
Rapidamente se meteram mãos à obra com o grupo a organizar-se para recolher pedra e madeira, que permitiu a construção de gabiões cilíndricos e paliçadas de modo a fomentar a retenção de sedimentos numa linha de água e diminuir a erosão dos solos através da diminuição da velocidade da água.
Grupo na recolha de material.

Paliçadas de madeira ao longo da linha de água.

Foram colocadas em prática várias técnicas, ao longo do Sábado e Domingo, sendo aplicadas nos locais onde a intervenção contribuirá de igual forma para uma recuperação do ecossistema e o seu impacto será maximizado.

Aplicação de manta orgânica num local sem vegetação para proteger o solo.
Aplicação de gabião cilíndrico e paliçada de madeira com estacaria de salgueiro com
densidade alta na linha de água.

Houve também oportunidade para passear, conhecer parte da história do Castro da Cárcoda, ouvir lendas e visitar os moinhos do Pisão com quem tem feito o seu restauro e a quem nós agradecemos.  
António Francisco a explicar como construiu a caleira de água através de um tronco de Pinheiro.

Por fim, um obrigado ao Bioparque e à União de Freguesias de Carvalhais e Candal pelo apoio  a esta oficina, e a todo o grupo que tornaram este fim de semana bem divertido.