Caminhada noturna na Serra da Arada

Antes do fim de semana preenchido de 9 e 10 de Setembro (+ info), este Sábado, dia 2 de Setembro há a caminhada nocturna da Montis.

 

A caminhada terá 3 km na serra da Arada, sob o luar.

O início será às 20h00 (ainda com alguma luz do dia), e vamos trocando a luz do sol por lua. Terminará no Portal do Inferno com uma merenda oferecida pela Montis e com tempo para conversar.

Como chegar:

Vindo de S. Pedro do Sul – Seguir as indicações para a Serra da Arada e S. Macário (igreja e miradouro do topo da Serra da Arada), atravessando as aldeias de Ponte (Junto a S. Pedro do Sul), Alvarinho, Oliveira, Sul e Aldeia. Uma vez no cruzamento para o S. Macário, seguir à esquerda para Covas do Monte/Portal do Inferno.Seguir sempre essa estrada até ao cruzamento de Covas do Monte, aí é o ponto de encontro (Nesse cruzamento à direita é Covas do Monte à esquerda é Arouca).

Vindo de Arouca – Seguir a estrada M510 em direção a Janarde e Regoufe. Depois da aldeia de Ponte de Telhe, seguir à direita para a estrada M567 em direção ao Geopark de Arouca e aldeia de Drave. Uma vez no topo da serra, seguir a mesma estrada até ao cruzamento de Covas do Monte.

Coordenadas GPS do ponto de encontro: 40º52’24.0”N, 8º05’12.5”W

O que trazer:

O Portal do Inferno, como o próprio nome indica, costuma ser muito ventoso. Mesmo numa noite de verão convém trazer um corta-vento para o caso de ficar frio.

Quem tiver pequenas lanternas ou LED’s pode trazer. Como o percurso é por um troço asfaltado, será uma ajuda para sinalizar o grupo.

Contactos e inscrições:

Para fazer a inscrição na atividade ou pedir informações, pode contactar a Montis através do e-mail: montisacn@gmail.com ou do 926 277 545

Caminhar sob o luar.

No dia 02 de Setembro o passeio mensal da Montis será sob o luar, através de uma caminhada norturna de 3 km na serra da Arada.

Com a lua cheia a atingir o seu pico no dia 6 de Setembro, e com a caminhada a começar pelas 20h00 (ainda com alguma luz do dia), vamos trocando a luz do sol por um luar fantástico. Termina no Portal do Inferno com uma merenda oferecida pela Montis e com tempo para conversar, inevitavelmente falar sobre lobos (estarão por ali certamente), sobre o plano de ações do Lobo Ibérico em que a Montis está envolvida e outros assuntos.

O programa:

20h – Encontro no cruzamento de Covas do Monte (40º52’24.0”N, 8º05’12.5”W ou O)
21h15 – Fim da caminhada no Portal do Inferno e merenda

Como chegar:

Vindo de S. Pedro do Sul – Seguir as indicações para a Serra da Arada e S. Macário (igreja e miradouro do topo da Serra da Arada), atravessando as aldeias de Ponte (Junto a S. Pedro do Sul), Alvarinho, Oliveira, Sul e Aldeia. Uma vez no cruzamento para o S. Macário, seguir à esquerda para Covas do Monte/Portal do Inferno.Seguir sempre essa estrada até ao cruzamento de Covas do Monte, aí é o ponto de encontro (Nesse cruzamento à direita é Covas do Monte à esquerda é Arouca).

Vindo de Arouca – Seguir a estrada M510 em direção a Janarde e Regoufe. Depois da aldeia de Ponte de Telhe, seguir à direita para a estrada M567 em direção ao Geopark de Arouca e aldeia de Drave. Uma vez no topo da serra, seguir a mesma estrada até ao cruzamento de Covas do Monte.

Coordenadas GPS do ponto de encontro: 40º52’24.0”N, 8º05’12.5”W ou O

O que trazer:

O Portal do Inferno, como o próprio nome indica, costuma ser muito ventoso. Mesmo numa noite de verão convém trazer um corta-vento para o caso de ficar frio.

Quem tiver pequenas lanternas ou LED’s pode trazer. Como o percurso é por um troço asfaltado, será uma ajuda para sinalizar o grupo.

Contactos e inscrições:

Para fazer a inscrição na atividade ou pedir informações, pode contactar a Montis através do e-mail: montisacn@gmail.com ou do 926 277 545

O campo de trabalho em vídeo / The workcamp in video

O I campo de trabalho da Montis decorreu nos dias 17 a 23 de Julho de 2017, no baldio de Carvalhais, São Pedro do Sul, com o objetivo de, gradualmente, melhorar as condições para a flora e fauna. 
E o vídeo do Rui Barreto em baixo demonstra o que foram estes 7 dias de trabalhos, mas também de convívio e várias atividades lúdicas e culturais. 
On the week from the 17th to the 23rd of July Montis hosted its first International Work Camp. It was been held in the Carvalhais common land, in São Pedro do Sul, Portugal. The interventions performed during this camp aim to gradually improve this land’s conditions for the local flora and fauna.

And the video from Rui Barreto shows what this 7 days has been, with time for interventions in the property but also with several recreational and cultural activities.

Campo de Trabalho, Seminário e Plantas Comestíveis

O quarto dia do Campo de Trabalho foi bem preenchido.

De manhã, o grupo esteve junto a um núcleo de pinheiros a fazer corte dos matos envolventes e a podar alguns dos pinheiros.
De seguida avançaram para o extremo superior da propriedade para continuar a manutenção do caminho iniciada no voluntariado de Maio.
À tarde foi tempo de assistir ao Seminário FLORESTA que teve a participação da Montis, Verde Lafões, Parque Natural Local do Vouga-Caramulo e do Baldio da Alvadia. Os oradores falaram sobre os projectos que representam, e no fim houve tempo para se colocarem questões e debater ideias.

De regresso ao Bioparque do Pisão, os participantes do Campo de Trabalho participaram numa caminhada onde puderam apanhar algumas plantas comestíveis e no fim prová-las, preparadas pelo Jorge Abílio (Bilinho).

Oficina no Campo de Trabalho

O Campo de Trabalho da Montis decorre a pleno vapor.

Ontem foi tempo de formar os participantes com mais um oficina de Engenharia Natural, dada pela Ecosalix.
Depois de uma manhã em sala, com a formação teórica, foi tempo de aplicar as técnicas aprendidas no campo.
Os formandos fizeram gabiões de pedra e paliçadas numa linha de drenagem na área em que se fez o fogo controlado em Fevereiro.

Ao fim da tarde, tiveram ainda oportunidade de colocar uma manta orgânica no solo, de forma a promover a retenção de solo e humidade.
Hoje, continuaremos a trabalhar no campo e amanhã à tarde teremos mais um seminário da Montis, desta vez em Carvalhais, São Pedro do Sul.

Seminário FLORESTA

Na próxima 5ª-feira, dia 20 de Julho, realizar-se-á o Seminário FLORESTA: Sustentabilidade e Rentabilidade na Biodiversidade. Este está integrado no Festival Tradidanças, a realizar-se em Carvalhais, em São Pedro do Sul, e começará às 15:00.

Aproveitando o Campo de Trabalho Internacional da Montis, a decorrer da próxima 2ª-feira até Domingo, dia 23 de Julho, este seminário também faz parte do programa do Campo de Trabalho.

Contamos convosco num seminário que contará com apresentações da Montis, da Verde Lafões, da Associação Transumância e Natureza (ATN) e do Baldio de Alvadia.

A entrada é livre, pelo que esperamos por vocês.

Por entre a flora e a fauna de Vieiro

Ontem, foi dia de campo para a equipa da Montis. Desta vez, fomos até aos terrenos de Vieiro (indicador laranja no mapa), no vale do rio Deilão, concelho de S. Pedro do Sul, bem perto do limite com Arouca.
Nesta jornada fizemos o reconhecimento detalhado deste terreno, afectado pelos incêndios de Agosto de 2016.

Encontrámos alguns núcleos de espécies invasoras, nomeadamente háquea-espinhosa (Hakea sericea) e mimosa (Acacia dealbata). Ainda que, para já, sejam poucos espécimes, a sua capacidade de proliferação é espantosa. Junto de um dos exemplares de háquea-espinhosa, que foi atingida pelo fogo, pudemos encontrar um rebento da mesma.

Encontrámos dois núcleos de mimosas. O primeiro situado perto da linha de água, embora afastado da galeria ripícola. Pela sua dimensão o arranque não era possível e iremos descascar as árvores num futuro próximo.

No fim da tarde, deparámo-nos com o segundo núcleo, que por ter exemplares mais pequenos, permitiu que fossem arrancadas. Junto deste núcleo estavam restos de mimosa queimados (resultantes do incêndio de Agosto de 2016), cuja raiz parece ter dado origem aos rebentos arrancados.

Antes

Depois

As fotografias permitem comparar o antes e o depois desta intervenção. Como se pode ver na fotografia seguinte, num pequeno pedaço de raíz, estão quatro rebentos.

Mas nem tudo se resume a espécies invasoras. As galerias ripícolas deste terreno não foram afectadas pelos incêndios e estavam cheias de carvalhos, salgueiros e amieiros. Tivémos ainda oportunidade de nos cruzar com alguns animais.

Tritão-palmado (Lissotriton helveticus)

Libelinha-azul (Calopteryx virgo)

Por agora, vamos ultimar os pormenores para o fim-de-semana de voluntariado. Contamos convosco.

Até lá!

Por entre a flora e a fauna de Vieiro

Ontem, foi dia de campo para a equipa da Montis. Desta vez, fomos até aos terrenos de Vieiro (indicador laranja no mapa), no vale do rio Deilão, concelho de S. Pedro do Sul, bem perto do limite com Arouca.
Nesta jornada fizemos o reconhecimento detalhado deste terreno, afectado pelos incêndios de Agosto de 2016.

Encontrámos alguns núcleos de espécies invasoras, nomeadamente háquea-espinhosa (Hakea sericea) e mimosa (Acacia dealbata). Ainda que, para já, sejam poucos espécimes, a sua capacidade de proliferação é espantosa. Junto de um dos exemplares de háquea-espinhosa, que foi atingida pelo fogo, pudemos encontrar um rebento da mesma.

Encontrámos dois núcleos de mimosas. O primeiro situado perto da linha de água, embora afastado da galeria ripícola. Pela sua dimensão o arranque não era possível e iremos descascar as árvores num futuro próximo.

No fim da tarde, deparámo-nos com o segundo núcleo, que por ter exemplares mais pequenos, permitiu que fossem arrancadas. Junto deste núcleo estavam restos de mimosa queimados (resultantes do incêndio de Agosto de 2016), cuja raiz parece ter dado origem aos rebentos arrancados.

Antes

Depois

As fotografias permitem comparar o antes e o depois desta intervenção. Como se pode ver na fotografia seguinte, num pequeno pedaço de raíz, estão quatro rebentos.

Mas nem tudo se resume a espécies invasoras. As galerias ripícolas deste terreno não foram afectadas pelos incêndios e estavam cheias de carvalhos, salgueiros e amieiros. Tivémos ainda oportunidade de nos cruzar com alguns animais.

Tritão-palmado (Lissotriton helveticus)

Libelinha-azul (Calopteryx virgo)

Por agora, vamos ultimar os pormenores para o fim-de-semana de voluntariado. Contamos convosco.

Até lá!

Amanhã há passeio do fogo

Amanhã, pelas 14h, em Cortegaça, freguesia de Janarde, Arouca, será o terceiro passeio do fogo.
Nestes passeios do fogo pretende-se discutir o fogo, a sua gestão e no passeio de amanhã, com o Projecto invasoras e os conhecimentos da Hélia e da Elizabete Marchante, discutiremos a problemática das espécies invasoras após o fogo.
E para isso contamos com todos, de modo a que o diálogo seja o mais rico possível.


Inscrições:
As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através de montisacn@gmail.com ou do nº 926277545 (Luís Lopes)

Como chegar:
Coordenadas GPS: 40º 54’ 30” N  8º 7’ 50” W
Google Maps: Cortegaça

Nota:
As previsões indicam possibilidade de chuva, pelo que se aconselha aos participantes o uso de equipamento adequado.

Amanhã há passeio do fogo

Amanhã, pelas 14h, em Cortegaça, freguesia de Janarde, Arouca, será o terceiro passeio do fogo.
Nestes passeios do fogo pretende-se discutir o fogo, a sua gestão e no passeio de amanhã, com o Projecto invasoras e os conhecimentos da Hélia e da Elizabete Marchante, discutiremos a problemática das espécies invasoras após o fogo.
E para isso contamos com todos, de modo a que o diálogo seja o mais rico possível.


Inscrições:
As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através de montisacn@gmail.com ou do nº 926277545 (Luís Lopes)

Como chegar:
Coordenadas GPS: 40º 54’ 30” N  8º 7’ 50” W
Google Maps: Cortegaça

Nota:
As previsões indicam possibilidade de chuva, pelo que se aconselha aos participantes o uso de equipamento adequado.